Valquiria Mac-Dowell
Intercambios

BLOG

As cores de Berlin

cores de berlin.png

BERLIN:  Austera, cinzenta, nublada... hein???  Esqueça!  Já viajei bastante por esse mundo afora, em diversas épocas do ano mas nunca uma paisagem me tirou o fôlego como Berlin.  Linda, colorida de amarelo, laranja, marrom, as calçadas todas atapetadas pelas folhas se entregando para o outono.  Fotos não revelam com a perfeição do que os olhos podem ver e o coração sentir.

Após 3 dias de muito trabalho, foram apenas 2 dias para explorar Berlin. Aí a gente tem que racionalizar o roteiro para poder passar pelos locais que quer visitar. Uma excelente pedida para conhecer a cidade é comprar o Berlin Welcome Card que dá direito a todo o transporte público ilimitado além de desconto em algumas atrações.  Transporte aqui é o que não falta:  trem, tram, U-Bahn, S-Bahn, bicicleta (muitas!) sei lá mais quantas modalidades de transporte que não consegui descobrir.  Mas como meu tempo era pouco decidi somente usar o ônibus assim poderia no trajeto descobrir outros pontos lindíssimos.  Foi assim que passei em frente a Filarmônica de Berlin, a Huboldt University, a Catedral.

Andar mesmo, só la no Mitte (centro da cidade) e explorar as duas praças mais famosas:  Potsdamerplatz e Alexanderplatz, ambas na antiga parte oriental. Comecei na Potsdamerplatz pelo Museu “Topografia do Terror”, que fica exatamente no local onde funcionava o quartel central da Gestapo.  Ali a história mais triste da Alemanha é mostrada sem nenhuma censura, os detalhes mais cruéis revelados abertamente. Chocante. Um aprendizado.

Passei pelo emocionante Memorial do Holocausto e tentei logo em seguida visitar um bunker, provavelmente a aula de história mais curiosa.  O bunker mais famoso não existe mais:  o Bunker de Hitler onde ele cometeu suicídio em 30 de abril de 1945.

Realizei meu sonho de chegar ao Portal de Brandemburgo.  O coração bateu disparado, lembrei de todas as histórias que sabia sobre a Alemanha e o significado daquele local.  Pernas pra que te quero, atravessei o portão e corri para conhecer o Reichstag, o Parlamento Alemão com a belíssima cúpula de vidro de onde se avista toda a cidade. O prédio foi danificado por um incêndio e completamente arrasado durante a segunda guerra.  Hoje está totalmente restaurado e foi entregue à administração federal em 1973.  A primeira sessão do Parlamento reunificado ocorreu ali em 1990.

Na Alexanderplatz o que mais chama a atenção é a Torre de TV, inaugurada em 1969 e um dos pontos turísticos mais visitados. Lá de cima se tem uma bela vista da cidade.  Dali a caminhada para a Ilha dos Museus vale a pena.  São 5 museus que ficam em uma ilha do Rio Spree: o Pergamon, o Bode, o Altes, o Neues e a Alte Nationalgalerie. Impossível visitar todos em um só dia mas nem que seja para passar em frente é um passeio que não se pode perder.

Minha outra curiosidade era conhecer o Zur Lezten Instanz, nos arredores da Alexanderplatz. É o restaurante mais antigo da Alemanha ainda em funcionamento. Com 4 séculos de fundação (1621) passou por restauração depois da segunda guerra mas  mantem sua decoração original. Pequeno (10 mesas no máximo) orgulha-se de ter servido Napoleão Bonaparte entre outras personalidades ilustres.  E a comida.... típica alemã da melhor qualidade. 

Para entender bem Berlim  é preciso estar atento a todos os detalhes para não perder nenhuma atração.  Andando pelas ruas vê-se a faixa que atravessa a cidade marcando o lugar por onde passava o muro.  Plaquinhas de cobre nas calçadas em frente a certos prédios registram as pessoas que moravam lá e foram levadas para os campos de concentração.  Seguindo essa trilha chegamos ao Checkpoint Charlie – um dos 3 postos militares de controle entre Berlin oriental e ocidental.

O mais surpreendente é que Berlin não quer empurrar para baixo do tapete as marcas do seu passado. Pelo contrário, sabe os erros que cometeu e usa para fazer uma nova história, uma forma de mostrar ao mundo que é possível olhar para frente e fazer um mundo melhor.

A cidade é ao mesmo tempo histórica, internacional, clássica, descolada, moderna, ecológica, um baú de novidades.  Espetáculos teatrais, cinema, música clássica, rock, pop, restaurantes, cervejarias, shoppings, tem de tudo. A cidade está em constante transformação.  Parece um canteiro de obras, tudo sendo renovado, restaurado, e novas construções se espalham por todos os cantos. Qualquer que seja o seu propósito selecione o que fazer e transforme Berlin em uma cidade para chamar de sua!